Aplicativo auxilia no processo de reabilitação cirurgia do ombro

Usage Evaluation ofa Mobile App to Help Understand the Rehabilitation Process of Shoulder Surgery

André Luis Giusti – Sandro da Silva Reginaldo – Thiago Barbosa Caixeta Eduardo Damaceno Chaibe – Leonardo Vieira Santos Moraes – Rodolpho Lemes de Oliveira

  • Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Hospital das Clínicas da    Universidade    Federal    de    Goiás,    Goiânia,    GO,    Brasil
  • Centro de Reabilitação e Readaptação Dr Henrique Santillo, Goiânia, GO, Brasil
  • Hospital Ortopédico de Goiânia, Goiânia, GO, Brasil

Rev Bras Ortop

Resumo do estudo

Objetivo  Avaliar a qualidade de um aplicativo de celular desenvolvido para orientar pacientes em período pós-operatório de procedimentos cirúrgicos do ombro.

Métodos Desenvolveu-se um aplicativo gratuito e de fácil acesso para auxiliar os pacientes em domicílio. Os indivíduos foram monitorados quanto ao uso do aplicativo e adaptação à sua prática antes do início da fisioterapia. Ao final de 6 semanas, aplicou- se um questionário qualitativo para avaliar a usabilidade do aplicativo.

Palavras-chave

  • reabilitação
  • ombro/cirurgia
  • fisioterapia
  • ortopedia
  • telefone celular

Resumo dos Resultados

Um total de 97% dos respondentes afirmaram que foi fácil executar o download do aplicativo, que os exercícios sugeridos foram prontamente entendidos, e relataram que indicariam o aplicativo.

Noventa e três por cento da amostra concorda que o aplicativo fez com que se sentissem mais participativos com relação ao tratamento de sua doença, enquanto 90% consideraram o aplicativo autoexplicativo.

Conclusão: o uso de uma plataforma virtual é uma ferramenta de compreensão sobre o tratamento e auxilia na prescrição médica de exercícios pós-operatórios domiciliares.

Trabalho desenvolvido no Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Introdução

As orientações dadas pelo médico sobre o processo de reabilitação após um procedimento cirúrgico são essenciais para um bom resultado final e devem ser bem compreendidas pelo paciente. Os protocolos de reabilitação vêm sendo discutidos e aplicados há tempos, embora variem de acordo com o tipo da lesão tratada, orientação do serviço e preferência do cirurgião.

De forma geral, a reabilitação é tão importante quanto o procedimento cirúrgico, visto que a articulação do ombro está sujeita a uma rápida instalação de rigidez articular e atrofia no pós-operatório.1 Deste modo, é importante que o paciente realize alguns movimentos antes de ser encaminhado para um serviço de reabilitação.2

À medida que o acesso à internet e as tecnologias aplica- das a smartphones avançam, tanto a população como a medicina tentam acompanhar esta evolução. Assim, a comunicação médico-paciente pode ser realizada de forma virtual através de aplicativos pelo celular3–9 para discutir orientações pós-operatórias, promovendo a retirada de dúvidas simples, o estreitamento da relação médico-enfermo.7

É inegável que a tecnologia por meio dos novos aplicativos de celulares foi desenvolvida, definitivamente, para facilitar a comunicação.8 Sem dúvida o paciente torna-se atuante no seu tratamento,4 sente-se incluído e, com isso, torna-se mais participativo.

Para esclarecer dúvidas relacionadas ao procedimento, foi desenvolvido um aplicativo com vídeos autoexplicativos para que o paciente possa rever a orientação de seu médico. O aplicativo não tem a intenção de tratar o paciente, sendo pela sua simplicidade, um meio de comunicação, sobre o qual o paciente deve seguir a prescrição do profissional.

Deste modo, o presente estudo objetivou avaliar qualitativamente um aplicativo desenvolvido para orientar pacientes no período pós-operatório de procedimentos cirúrgicos do ombro, auxiliando o indivíduo no entendimento sobre o processo inicial de reabilitação.

Materiais e Métodos

Fig. 1 Orientações para execução dos exercícios. Fonte: Arquivo pessoal do autor.

O trabalho consistiu na aplicação de um questionário para avaliação da percepção dos pacientes sobre a criação de um aplicativo que os oriente no pós-operatório em cirurgias realizadas no ombro.

O questionário continha questões sobre a facilidade em se realizar o download, facilidade para o entendimento dos exercícios, possível indicação do aplicativo, posicionamento sobre a participação do paciente com relação ao tratamento da doença e se o indivíduo considerou o programa autoexplicativo.

O aplicativo foi criado a partir do software iGenApps (iGenApps, São Francisco, CA, EUA), disponível nos sistemas [email protected] e Playstore. Este foi desenvolvido para ser utilizado de maneira gratuita, com linguagem simples e didática, através de uma sequência de textos, vídeos e ilustrações (►Figura 1).

A plataforma para sua criação foi o programa iGenApps, que usa linguagem Java e auxilia na criação de aplicativos tanto para o sistema Android como para o iOS. A criação e desenvolvimento deste foram realizados  por  um dos autores (►Figura 2).

Fig. 2 Tela Inicial do aplicativo de celular. Fonte: Arquivo pessoal do autor.

O software iGenApps permite a inserção de textos e links de vídeos. Deste modo, foram gravados uma série de vídeos pelo YouTube, sendo que os links, além dos textos, foram disponibilizados no aplicativo.

Após a cirurgia, as orientações pós-operatórias foram realizadas normalmente pelo médico assistente. O diferencial foi a solicitação para que o paciente assistisse aos vídeos e relembrasse os exercícios demonstrados na primeira consulta pós- operatória.

Os pacientes foram monitorados quanto ao uso do aplicativo através de uma ferramenta do aplicativo que informava quantas vezes ele foi acessado. Ao final de 6 semanas de acompanhamento, época em que o paciente é encaminhado à reabilitação, foi fornecido o questionário para avaliação do uso e facilidade do aplicativo em questão, integralmente de forma qualitativa (Anexo 1).

Foram avaliados 32 pacientes, dentre os quais, 2 foram excluídos devido a falta de acesso a internet própria ou compartilhada (ambos moravam em zona rural). A aplicação do questionário foi realizada para os pacientes em pós-operatório dos hospitais credenciados relativos ao treinamento avançado de cirurgia do ombro e cotovelo da nossa instituição.

Resultados

Dos 30 pacientes que compuseram a amostra, 13 eram do sexo masculino e 17 do sexo feminino, com  idade  média de 48 anos e nível escolar, em sua grande maioria, fundamental (10 pacientes) e médio (14 pacientes). Nenhum dos avaliados tinham pós-graduação, apenas dois tinham curso superior e três pacientes eram não escolarizados.

Observou-se que, a maioria dos pacientes acessaram o aplicativo entre 5 e 10 vezes (►Figura 3).

Fig. 3 Acesso dos pacientes ao aplicativo.

Com relação à aplicação do questionário, foi possível constatar que 97% dos respondentes referiram fácil download, alegaram facilidade de entendimento dos exercícios e indica- riam o aplicativo para alguém que tivesse dúvidas em relação à realização desses no período após procedimento cirúrgico ao nível do ombro.

Quando perguntados se o aplicativo fez com que se sentissem mais participativos com relação ao trata- mento da sua doença, 93% referiram que sim e 90% consideraram o aplicativo autoexplicativo. Os dados referentes à aplicação do questionário estão descritos na ►Tabela 1.

Discussão

Com relação ao entendimento dos exercícios, os entrevista- dos afirmaram que o aplicativo facilitou de alguma forma a compreensão. Um dos avaliados relatou: “os vídeos me trouxeram segurança para executar os exercícios prescritos pelo médico.”

A visualização por meio dos vídeos,  fez  com que o paciente pudesse ver e rever os exercícios prescritos, diminuindo assim as dúvidas de execução em seu domicílio. Estes dados corroboram com o encontrado em uma pesquisa, na qual os aplicativos para smartphones foram considerados práticos.10

Em contrapartida, a queixa sobre a baixa evidência científica sobre o uso de aplicativos aplicado à reabilita- ção,3 validação, e falta de participação médica direta nos aplicativos não foram observados em nosso estudo.

Houve participação médica direta em todas as fases da criação do aplicativo, e os exercícios propostos nos vídeos já  haviam sido descritos e validados em outro estudo de reabilitação.1

A satisfação perante o uso do aplicativo foi observada na pergunta “Você indicaria o aplicativo para alguém que tivesse dúvidas em relação ao procedimento cirúrgico?,” para a qual uma porcentagem significativa demonstrou aceitação.

Observam-se duas situações que justificam tal aceitação. A primeira é a familiaridade com a tecnologia e a acessibilidade, pois o paciente pode, no conforto de sua residência, acessar a qualquer hora o programa. Esta praticidade é um fato também observado em outros estudos.4,8–12 A segunda é a sensação de maior proximidade médico-paciente.2

Apesar da proximidade médico-paciente proposta pelo programa, dois pacientes consideraram o aplicativo com os vídeos bastante didático, mas afirmaram que a explicação do médico sempre vai agregar mais informações.

Um paciente referiu que o aplicativo não teve nenhum impacto em relação ao entendimento, visto que o médico já tinha sanado todas as suas dúvidas. Isso demonstra que, apesar do auxílio tecnológico, a presença do profissional é de extrema relevância em qualquer fase de tratamento.

Outros achados similares ao nosso estudo foram descritos por Harder et al.,4 em que um aplicativo foi criado direta- mente por um profissional de saúde, no caso em questão um fisioterapeuta, cuja finalidade era auxiliar na reabilitação do paciente após procedimento de mastectomia.

O estudo teve impacto positivo, visto que o aplicativo auxiliou os pacientes no pós-tratamento para câncer de mama, porém com uma amostra inferior (nove pacientes) ao do presente estudo. Eaton et al.13 avaliaram o uso da interface no aprendizado médico e concluíram que esta auxiliou no aprendizado dos residentes e fellowships de cirurgia.

Rassouli et al.5 avaliaram o uso de diversos aplicativos por 20 dias, para reabilitação de pacientes com doença pulmonar crônica e concluíram que, além de ser uma ferramenta razoável, o aplicativo fornece informações adicionais aos médicos assistentes.

Outra pesquisa, realizada com o propósito de instruir exercícios domiciliares, avaliou cinco pacientes com capsulite adesiva e verificou que o uso da tecnologia é útil para reabilitação de pacientes.

A vantagem do aplicativo proposto no estudo foi a capacidade de avaliar e registrar nele próprio o grau de amplitude de movimento e duração do exercício por paciente.14

No presente estudo, o aplicativo não foi capaz de registrar o tempo de visualização de cada exercício; porém, foi possível identificar que este facilitou a comunicação e o entendimento dos exercícios, como o observado em diversas outras pesquisas.4–6,8

Gilbert et al.8 avaliaram a reabilitação de pacientes com doenças relativas ao ombro, através do aplicativo MUJO, (Paris, France) e concluíram que ele não interfere em nenhum protocolo de reabilitação já estabelecido. Pelo contrário, pode ser implantado e adaptado na rotina do médico assistente e fisioterapeuta especialista.

É sempre útil destacar que o não-seguimento das prescrições ou sua realização de forma errônea podem ocorrer, visto que nesse caso o paciente é parte atuante de seu tratamento. Como estudos futuros, sugere-se avaliar os pacientes que tiveram acesso e usaram o aplicativo, comparando a qualidade de sua reabilitação com a do grupo que não tenha utilizado esta tecnologia.

Conclusão

Conclui-se que o uso de uma plataforma virtual é útil para a compreensão sobre o tratamento e auxilia na prescrição médica de exercícios pós-operatórios domiciliares após procedimentos cirúrgicos de ombro.

O aplicativo proposto é de fácil entendimento, rápido para o sistema operacional e cumpre o objetivo de orientar o paciente como parte de seu tratamento, englobando-o como atuante no tratamento de sua própria enfermidade.

Conflito de Interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Referências

  • 1 Veado MAC, Flóra W. Reabilitação pós-cirúrgica do ombro. Rev Bras Ortop 1994;29(09):661–664;
  • 2 De Marco MA. Do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial: Um projeto de educação permanente. Rev Bras Educ Med 2006;30 (01):60–72;
  • 3 Lau AY, Piper K, Bokor D, Martin P, Lau VSL, Coiera E. Challenges During Implementation of a Patient-Facing Mobile App for Surgi- cal Rehabilitation: Feasibility Study. JMIR Human Factors 2017;4 (04):e31;
  • 4 Harder H, Holroyd P, Burkinshaw L, et al. A user-centred approach to developing bWell, a mobile app for arm and shoulder exercises after breast cancer treatment. J Cancer Surviv 2017;11(06): 732–742;
  • 5 Rassouli F, Boutellier D, Duss J, Huber S, Brutsche MH. Digitalizing multidisciplinary pulmonary rehabilitation in COPD with a smartphone application: an international observational pilot study. Int J Chron Obstruct Pulmon Dis 2018;13:3831–3836;
  • 6 Zhang M, Ying J, Amron SB, et al. A Smartphone Attention Bias Intervention for Individuals With Addictive Disorders: Protocol for a Feasibility Study. JMIR Res Protoc 2018;7(11):e11822;
  • 7 Liu HT, Chia RM, Setiawan IMA, Crytzer TM, Ding D. Development of “My Wheelchair Guide” app: a qualitative study. Disabil Rehabil Assist Technol 2019;14(08):839–84;
  • 8 Gilbert AW, Hauptmannova I, Jaggi A. The use of assistive tech- nology in shoulder exercise rehabilitation – a qualitative study of acceptability within a pilot project. BMC Musculoskelet Disord 2018;19(01):133;
  • 9 De La Cruz Monroy MFI, Mosahebi A. The Use of Smartphone Applications (Apps) for Enhancing Communication With Surgical Patients: A Systematic Review of the Literature. Surg Innov 2019; 26(02):244–259;
  • 10 Wong SJ, Robertson GA, Connor KL, Brady RR, Wood AM. Smart- phone apps for orthopaedic sports medicine – a smart move? BMC Sports Sci Med Rehabil 2015;7(23):1–7;
  • 11 Xie B, Su Z, Zhang W, Cai R. Chinese Cardiovascular Disease Mobile Apps’ Information Types, Information Quality, and Interactive Functions for Self-Management: Systematic Review. JMIR Mhealth Uhealth 2017;5(12):e195;
  • 12 Chen HC, Chuang TY, Lin PC, Lin YK, Chuang YH. Effects of Messages Delivered by Mobile Phone on Increasing Compliance With Shoulder Exercises Among Patients With a Frozen Shoulder. J Nurs Scholarsh 2017;49(04):429–437;
  • 13 Eaton M, Scully R, Schuller M, et al. Value and Barriers to Use of the SIMPLTool for Resident Feedback. J Surg Educ 2019;76(03):620–627;
  • 14 Stütz T, Emsenhuber G, Huber D, et al. Mobile Phone-Supported Physiotherapy for Frozen Shoulder: Feasibility Assessment Based on a Usability Study. JMIR Rehabil Assist Technol 2017;4(02):e6.

Anexo 1 Questionário

1) IDADE:
2) GÊNERO: M / F
3) ESCOLARIDADE: NÃO ESCOLARIZADO
ENSINO FUNDAMENTAL MÉDIO
SUPERIOR
PÓS GRADUADO

4) POSSUI INTERNET PRÓPRIA OU COMPARTILHADA?
SIM
NÃO

5) NÚMERO DE ACESSOS AO APLICATIVO: 0 A 5
5 A 10
10 A 15
MAIS QUE 15.

6) TEVE FACILIDADE PARA REALIZAR O DOWNLOAD DO APLICATIVO?
SIM
NÃO
7) O APLICATIVO FACILITOU O ENTENDIMENTO DOS EXERCÍCIOS?
SIM
NÃO

8) VOCÊ INDICARIA O APLICATIVO PARA ALGUÉM QUE TIVESSE DÚVIDAS EM RELAÇÃO AO PROCEDIMENTO CIRÚRGICO?
SIM
NÃO

9) O APLICATIVO FEZ COM QUE VOCÊ SE SENTISSE MAIS PARTICIPATIVO COM RELAÇÃO AO TRATAMENTO DE SUA DOENÇA?
SIM
NÃO

10) VOCÊ CONSIDERA O APLICATIVO AUTOEXPLICATIVO (OU PRECISARIA DO MÉDICO PARA TE ORIENTAR)?
SIM
NÃO

Estudo devidamente registrado: https://www.thieme-connect.com

Compartilhar nas redes sociais.

Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter

Explorar mais

Osteoporose e a falha do material de síntese na fratura do úmero proximal

Objetivo: Apresentar as falhas dos diferentes materiais utilizados na síntese da fratura do úmero proximal,…

Aplicativo auxilia no processo de reabilitação cirurgia do ombro

Usage Evaluation ofa Mobile App to Help Understand the Rehabilitation Process of Shoulder Surgery André…

Procura por Ortopedista Especialista em Ombro e Cotovelo?

Dr. Thiago Barbosa Caixeta

ortopedista-ombro-cotovelo-goiania-dr-thiago-caixeta